Make your own free website on Tripod.com

  

     

Procure no site por palavra chave:

 

          Manual da Qualidade
Home Documentos Anexos Opinião Proc. de sistema Inst. Trabalho Manual da Qualidade

 

Fórum da Qualidade

Arquivos Digitais

 

Folha de rosto

 

Controle de Alterações

 

Versão

 

Data de Aprovação

 

 

Alterações

1

04/10/2004

Primeira versão

 

 

 

 

 

 

 

Elaborado por

 

_______________

Fabricio aroeira

 

Analisado por

 

__________________

Eduardo Almeida

 

Aprovado por

 

___________________

Eduardo Almeida

 

 

 

 


 

a. Índice

Folha de rosto.. 1

Índice.. 2

1. OBJETIVO.. 4

2. APLICAÇÃO.. 4

3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA.. 5

4. DEFINIÇÕES.. 5

4.1. Política da Qualidade. 5

4.2. Manual da Qualidade. 5

4.3. Sistema da Qualidade. 5

4.4. Documento da Qualidade. 5

5. Metodologia.. 6

5.1. Apresentação da empresa. 6

5.2. requisitos do sistema da qualidade 6

-4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE.

 

-5.Responsabilidade da direção da empresa.

 

- 5.1. Comprometimento da Direção da Empresa.
- 5.2. FOCO NO CLIENTE.
- 5.3. Política da Qualidade.
- 5.3.1. Estratégia de Sensibilização.
- 5.4. Planejamento.
- 5.4.1. Objetivos da Qualidade.
- 5.4.1.1. Indicadores da Política da Qualidade.
- 5.4.1.2. Medição e acompanhamento dos indicadores.
- 5.4.2. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade.
- 5.5. Responsabilidade, Autoridade e Comunicação.
- 5.5.1. Responsabilidade e autoridade.
- 5.5.2. Representante da Direção da Empresa.
- 5.5.3. Comunicação Interna.
- 5.6. Análise Crítica da Direção.
- 5.6.1. Generalidades.
- 5.6.2. Entradas para a análise Crítica.

 

- 6. Gestão de Recursos.

 

- 6.1. Provisão de recursos.
- 6.2. Recursos humanos.
- 6.2.1. Designação de pessoal.
- 6.2.2. Competência, conscientização e treinamento.
- 6.3. Infra-estrutura.
- 6.4. Ambiente de trabalho.

 

- 7. Execução da Obra.

- 7.1. Planejamento da obra.
- 7.1.1. Plano da Qualidade da Obra ou PQO.
- 7.1.2. Planejamento da execução da obra.
- 7.2. Processos relacionados ao cliente.
- 7.2.1. Determinação dos requisitos relacionados à obra.
- 7.2.2. Análise crítica dos requisitos relacionados à obra.
Contrato proveniente de um cliente.:
Contrato em processos licitatórios.:
Conclusão da análise.:
Comunicação das alterações.:
- 7.2.3. Comunicação com o cliente.
- 7.3. Projeto.
- 7.3.1. Planejamento da elaboração do projeto.
- 7.3.2. Entradas de projeto.
- 7.3.3. Saídas de projeto.
- 7.3.4. e 7.3.5. Análise crítica e verificação de projeto.
- 7.3.6. Validação de projeto.
- 7.3.7. Controle de alterações de projeto.
- 7.3.8. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente.
- 7.4. Aquisição.
- 7.4.1. Processo de aquisição.
- 7.4.1.1. e 7.4.1.2 Processo de Qualificação e Avaliação de Fornecedores.
- 7.4.2. Informações para aquisição.
- 7.4.2.1. Materiais controlados.
- 7.4.2.1, 7.4.2.3 e 7.4.2.4. Serviços controlados, Laboratoriais, de Projeto e Serviços Especializados de Engenharia.
- 7.4.3. Verificação do Produto Adquirido.
- 7.5. Operações de Produção e Fornecimento de Serviço.
- 7.5.1. Controle de Operações.
- 7.5.1.1. Controle dos serviços de execução controlados.
- 7.5.2. Validação de Processos.
- 7.5.3. Identificação e Rastreabilidade.
- 7.5.3.1. Identificação.
- 7.5.3.2. Rastreabilidade
- 7.5.4. Propriedade do Cliente.
- 7.5.5. Preservação de Produto.
- 7.6. Controle de Dispositivos de Medição e Monitoramento.

8. Anexos.. 10

8.1.Modelo de Nomeação do Representante da Administração. 11

8.2. Modelo de Nomeação da Equipe da Qualidade. 12

8.3. Lista de serviços e materiais controlados. 13

8.4. Quadro Níveis de Qualificação. 14

 

1. OBJETIVO

O manual da qualidade tem como objetivo descrever o sistema de qualidade da empresa, representante da administração e metodologias existentes.

 

 

2. APLICAÇÃO

 

É aplicável nas áreas administrativa, financeira, suprimentos, engenharia, obras e equipe da qualidade.

 

 

3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

 

bullet

SiQ – Construtoras

bullet

PS1-VV– Procedimento de Controle de Documentos e Dados

bullet

PS2-VV – Manual de Cargos e Funções

 

 

4. DEFINIÇÕES

 

4.1. Política da Qualidade

 

Documento que contém os princípios e intenções da empresa em relação à qualidade

 

 

4.2. Manual da Qualidade

 

Documento que contém a Política e os Objetivos da qualidade e descreve, de forma sumariada, todo o Sistema da Qualidade.

 

 

4.3. Sistema da Qualidade

 

Compreende a Estrutura Organizacional e o conjunto de responsabilidades, procedimentos, processos e recursos para implementação da Gestão da Qualidade.

 

 

4.4. Documento da Qualidade

 

Todo documento, em papel que contenha informações ou dados relevantes para o sistema da qualidade.

 

 

5. METODOLOGIa

5.1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

 

a Apex Engenharia, Comércio e Indústria Ltda, sediada no SIA Trecho 06 Número 100 , Setor de Indústrias de Brasília, foi criada em 1976 por seu fundador e atual Diretor Presidente, o engenheiro civil Eduardo Almeida Santos. A empresa foi concebida pelo fato de o fundador ter visto em Brasília grandes oportunidades de trabalho e investimento na nova capital que crescia.

A princípio, a empresa atuou principalmente no ramo de obras públicas e agropecuária, sendo que somente em 1986 começou a atuar exclusivamente na construção, incorporação e venda de empreendimentos imobiliários. Sua atual filosofia de trabalho concentra-se na área de edificações, para todas as faixas de renda dos consumidores. Com quase 26 anos de existência, a empresa já construiu e comercializou mais de duas mil unidades em Brasília, Cidades Satélites e Goiás.

A Apex Engenharia é tida como uma empresa de médio porte. Seu quadro de pessoal é constituído de aproximadamente 40 funcionários. A estrutura administrativa da empresa é bastante “enxuta”, e conta com: Departamento Comercial, Departamento Financeiro, Departamento Compras, Departamento de Pessoal, Departamento de Engenharia e Departamento de Contabilidade, sendo que todos eles são subordinados à Presidência. Dos 40 funcionários existentes hoje, apenas um quarto pertence ao quadro administrativo.

 

 

5.2. requisitos do sistema da qualidade

 

O Manual da Qualidade da Empresa  foi elaborado contemplando todos os requisitos do SIQ-Construtoras.

A numeração que se segue foi estabelecida para a correta relação com o SiQ Construtoras e com a ISO 9001/2000

 

 

4. sistema de gestão da qualidade

 

4.1 requisitos gerais

 

A Apex Engenharia estabeleceu, documentou e mantém o Sistema de Qualidade COM BASE NOS REQUISITOS DO SIQ - CONSTRUTORAS E POR SUA VEZ NA NBR ISO 9001

nO INÍCIO FOI DEFINIDO UM PLANEJAMENTO DA IMPLANTAÇÃO A PARTIR DO DIAGNÓSTICO REALIZADO E DAÍ DEFINIDAS AS LISTAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS QUE ESTÃO NO ANEXO 7.1.

NA DOCUMENTAÇÃO DEFINIDA PODEM SER VERIFICADOS OS CRITÉRIOS E MÉTODOS QUE SERÃO UTILIZADOS NA OPERAÇÃO E CONTROLE DOS PROCESSOS E AINDA ESTÃO DEFINIDAS AS FORMAS DE MONITORAMENTO, MEDIÇÃO E ANÁLISE DAS ATIVIDADES CONSTANTES NOS PROCESSOS. oS RECURSOS QUE POR VENTURA FOREM NECESSÁRIOS SERÃO TRATADOS CONFORME ITEM 6.1 DESTE MANUAL.

QUANDO FOR UTILIZADO A CONTRATAÇÃO DE ALGUM PROCESSO QUE AFETE O PRODUTO FINAL DEVE-SE ESTABELECER CRITÉRIOS PARA O SEU CONTROLE.

 

 

Escopo de certificação/qualificação:

 

O escopo DO SISTEMA É construção e incorporação de edificações.

 

 

Mapeamento de Processos e suas interações.

 

 

 

4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO

 

4.2.1 generalidades

 

Neste manual encontram-se documentados a Política da Qualidade e os seus objetivos além de referências aos Planos de Qualidades de Obras e aos procedimentos exigidos pelas normas. Caso a empresa julgue necessária a criação de algum documento que auxilie o seu sistema este será aqui referenciado.

 

 

4.2.2 manual da qualidade

 

Íntegra deste documento.

 

 

4.2.3 controle de documentos

 

A empresa construtora estabeleceu ( ps1) procedimentos para emissão e controle de documentos e dados do Sistema de Qualidade.

 

 

4.2.4 controle de registros

 

Para o controle de identificação, do armazenamento, de proteção, de recuperação, do tempo de retenção e do descarte dos registros gerados pelo sistema da qualidade ver PS7

 

 

5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO DA EMPRESA.

 

5.1. Comprometimento da Direção da Empresa.

 

A direção da Empresa está comprometida com o desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e com a melhoria contínua de sua eficácia. Treinamentos serão realizados tanto com funcionários quanto a terceirizados e prestadores de serviços com o intuito de informá-los Da importância das suas atividades e dos seus reflexos na satisfação do cliente. A POLÍTICA DA QUALIDADE TAMBÉM É OBJETO DOS TREINAMENTOS. SERÃO também FORNECIDOS PELA DIREÇÃO, CONFORME A NECESSIDADE, E DENTRO DA VIabilidade, RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS COM A FINALIDADE DE APRIMORAR OS PRODUTOS E SERVIÇOS REALIZADOS PELA EMPRESA.

A direção também garante que estão estabelecidos os objetivos da qualidade e os seus indicadores que por sua vez vêm sendo acompanhados nas reuniões de análise crítica.

 

 

5.2. FOCO NO CLIENTE

 

todos os processos executados e controlados tem como finalidade a melhoria do produto final COM INTUITO DE  satisfazer as necessidades dos clientes. Para que ocorra a melhoria do produto final é necessário conhecer as suas necessidades (requisitos) e garantir que estas serão atendidas na execução do produto por ele solicitado. este item será melhor detalhado no item 7.2.

 

 

5.3. Política da Qualidade

 

“Melhorar continuamente nossos serviços de planejamento, controle e execução em construção civil, buscando sempre a satisfação do cliente, a racionalização de custos e processos , a qualificação dos funcionários e parcerias com fornecedores qualificados.”

 

 

5.3.1. Estratégia de Sensibilização

 

A Estratégia de Sensibilização da empresa, definida pela direção, consiste na divulgação da Política da Qualidade e seus objetivos para todos seus funcionários através de reuniões mensais de esclarecimento bem como a fixação de placas e cartazes com o seu conteúdo tanto nas obras quanto em seu escritório.

 

 

5.4. Planejamento

5.4.1. Objetivos da Qualidade.

 

Foram definidos os objetivos da qualidade coerentes com a política, e que se seguem:

Objetivos:

1.      Clareza nas especificações de contrato;

2.      Controle de custos e prazos pré-estabelecidos;

3.      Monitoramento da satisfação dos envolvidos no processo;

4.      Motivação e treinamento dos funcionários;

5.      Padronização e atualização dos processos;

6.      Controle de eficiência dos fornecedores.

 

 

5.4.1.1. Indicadores da Política da Qualidade.

 

 

NOMES DOS INDICADORES

 

 

INDICADORES

 

METAS

 

FONTES DE DADOS

 

Responsabilidade

Porcentagem de obras com planejamento efetivo

Nº obras efetuadas    x 100 Nº total de obras

 

Manter 100% das obras com planejamento efetivo

Controle das obras

Diretor de obras

Porcentagem de processos padronizados

 

Nº processos padron.   X 100 Nº total de processos

80% dos processos padronizados em 1 ano

Documentação SGQ

RA

Porcentagem de clientes satisfeitos

 

Nº clientes satisf..     x 100 Nº clientes entrevistados

70% dos clientes satisfeitos em 1 ano

Formulários de satisfação

Diretor comercial

Porcentagem de retrabalho de obra

 

Nº de retrabalhos obra  x 100  total de trabalhos

10% de retrabalho em obra em 1 ano

Documentação SGQ

diretor de obras

Porcentagem de retrabalho pós-venda

 

Nº de retrab Pós-venda  x 100    Nº total Unid. Vendidas

15 % de retrabalho pós venda em 1 ano

Documentação SGQ

diretor comercial

Porcentagem de fornecedores qualificados

Nº de forn. Qualif.               x 100   Nº total forn.

70% de fornecedores qualificados em 1 ano

Documentação SGQ

RA

Porcentagem de  funcionário qualificados

Nº de func. Qualif.  x 100                Nº total func.

90% de fornecedores qualificados em 1 ano

Documentação SGQ

 

RA

 

 

5.4.1.2. Medição e acompanhamento dos indicadores.

 

Todos os objetivos estabelecidos e os seus respectivos indicadores serão medidos e acompanhada a sua evolução, sendo objeto de análise crítica pela direção. Ver item 5.6.

 

 

5.4.2. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade.

 

A empresa realizou um diagnóstico da mesma no início da implantação do Sistema e o registrou .

A empresa criou uma lista na qual constam OS serviços de construção que serão controlados pela empresa, assim como OS materiais componentes destes serviços.

De posse dos dados obtidos através do diagnóstico e das listas, a empresa estabeleceu um planejamento para o desenvolvimento e a implantação do Sistema de Qualidade, bem como os responsáveis e o prazo para o atendimento de cada um dos itens.

 

 

5.5. Responsabilidade, Autoridade e Comunicação

 

5.5.1. Responsabilidade e autoridade.

 

A autoridade e as relações inter-pessoais de quem administra, desempenha e verifica atividades que exercem influência na qualidade estão claramente definidas e documentadas através dos organogramas administrativo e de obra nos itens 6.1 e 6.2 no Manual de Cargos e Funções.  Todas as responsabilidades e funções da empresa, inclusive do Representante da direção e da Equipe da Qualidade, encontram-se descritas nesse mesmo documento.

O Manual de Funções elaborado para a empresa define e documenta as responsabilidades, autoridades e inter-relação do pessoal que exerce funções na empresa em questão. O Organograma da empresa demonstra graficamente a hierarquia existente entre as funções, e é parte integrante do Manual de Funções.

Cada documento estabelecido deverá informar os responsáveis pelo seu cumprimento e controle.

Estas responsabilidades são comunicadas quando do treinamento de cada um desses documentos e é constantemente acompanhadas pelo R.d..

 

 

5.5.2. Representante da Direção da Empresa.

 

O Representante da direção, chamado de R.d., é designado pela direção da empresa para assegurar a implantação do Sistema da Qualidade, em suas diversas etapas evolutivas, de acordo com os requisitos do SIQ-Construtoras. Este representante responde diretamente à Direção, relatando a esta o desempenho do Sistema da Qualidade. é função também promover a conscientização em toda a empresa sobre a importância do atendimento aos requisitos do cliente  Outras responsabilidades do R.d. serão definidos nos documentos da qualidade, e/ou em outros itens deste manual.

O R.d. trabalhará em conjunto com a Comissão da Qualidade no processo de implantação e manutenção do Sistema da Qualidade. A Comissão da Qualidade é um grupo de membros da empresa envolvidos neste processo, e que foram nomeados pela direção da empresa através de comunicação interna. 

O Representante da direção foi nomeado pela direção por meio de comunicação interna.

 

 

5.5.3. Comunicação Interna.

 

Para a circulação das informações pertinentes ao Sistema de Gestão da Qualidade foram definidas as seguintes ferramentas:

bullet

Mural da Qualidade – um por obra e um no escritório;

bullet

Reuniões com funcionários – consideradas também como treinamentos;

bullet

Documento ou comunicação Interna – Comunicações urgentes

A Comissão da Qualidade tem a responsabilidade de atualizar os quadros, promover as reuniões e apurar sugestões e reclamações.

 

 

5.6. Análise Crítica da Direção.

 

5.6.1. Generalidades.

 

A direção da Empresa irá realizar, pelo menos, duas reuniões de análise crítica do sistema no ano, e de preferência entre as auditorias de certificação/qualificação e interna. 

Trata-se de um momento estratégico pois é aí que se tem o maior número de subsídios para a melhoria do sistema e para a preparação da auditoria externa.

 

 

5.6.2. Entradas para a análise Crítica.

 

Serão objetos das análises críticas

bullet

Resultados de auditorias (internas e externas);

bullet

Informações/reclamações dos clientes;

bullet

O desempenho dos processos e conformidade dos produtos;

bullet

Ações corretivas e preventivas;

bullet

Ações oriundas da análises anteriores;

bullet

Mudanças  que podem afetar o sistema;

bullet

Recomendações para melhoria;

bullet

Política da qualidade e os seus objetivos e indicadores;

bullet

Outros assuntos pertinentes.

 

 

5.6.3. Saídas da análise crítica.

 

bullet

Como resultados destas análises devem ser geradas, em uma ata de reunião:

bullet

Diretrizes  e recomendações para a melhoria do SGQ e dos seus processos;

bullet

Diretrizes  e recomendações para a melhoria dos produtos para atender os requisitos dos clientes;

bullet

Recursos necessários para o sistema.

 

 

6. Gestão de Recursos.

 

6.1. Provisão de recursos.

 

sempre que for identificada a necessidade de um recurso para a melhoria do sistema esta deve ser comunicada ao rd para que este analise e formalize o pedido por meio de uma comunicação interna à direção. A direção por sua vez deverá analisar o pedido e decidir sobre a sua provisão ou não.

 

 

6.2. Recursos humanos.

 

6.2.1. Designação de pessoal.

 

Para a designação de pessoal foi estabelecido um Manual de cargos e Funções que estabelece com as responsabilidades de cada função e quais serão os requisitos necessários e os desejáveis para a sua contratação. Devem ser mantidos registros do cumprimento aos requisitos.

 

 

6.2.2. Competência, conscientização e treinamento.

 

Para a determinação das necessidades de treinamento, a sua execução e avaliação dos resultados alcançados ver PS4.

 

 

6.3. Infra-estrutura.

 

A Empresa oferece aos seus funcionários e prestadores de serviço toda a infra estrutura necessária para  a correta execução dos seus serviços tendo como finalidade a obtenção da conformidade dos produtos finais e parciais.

Esta infra estrutura inclui: 

bullet

Canteiros de obras, escritório;

bullet

Ferramentas e equipamentos necessários para o processo;

bullet

Serviços de apoio.

 

 

6.4. Ambiente de trabalho.

 

Para o total bem estar dos seus funcionários e demais colaboradores a Empresa oferece um ambiente de trabalho com condições controladas de riscos e perigos oferecendo equipamentos de proteção individuais e coletivos e priorizando a segurança. 

Detalhes da infra estrutura e do ambiente de trabalho poderão estar estabelecidas no PQO de cada obra.

 

 

7. Execução da Obra.

 

7.1. Planejamento da obra.

 

7.1.1. Plano da Qualidade da Obra ou PQO.

 

 

Para cada obra, a Empresa deve montar um Plano de Qualidade específico.

Neste plano deve constar: 

a) identificação da obra e data de elaboração do PQO,

b) Organograma da obra e responsabilidades específicas;

c) Programa de treinamento;

d) Lista de materiais e serviços controlados;

e) Identificação das características especiais (particularidades) da obra e suas formas de controle (quando apropriado);

f) Lista dos processos críticos para a qualidade da obra e atendimento ao cliente e suas formas de controle;

G) Controle de manutenção de equipamentos críticos;

H) Projeto de canteiro;

 I) Destinação de resíduos sólidos e líquidos

J) OBJETIVOS ESPECÍFICOS PARA EXECUÇÃO DA OBRA

 

 

7.1.2. Planejamento da execução da obra.

 

 

Para cada obra deve ser estabelecido um planejamento contendo as etapas de sua realização com o objetivo de garantir o seu bom desenvolvimento.

 Estes planejamentos poderão ser estabelecidos com a ajuda de softwares de computador e ainda deverão contemplar os recursos necessários para a execução da obra, inclusive os treinamentos a serem dados.

Devem ser gerados registros do controle de realização das atividades no próprio planejamento ou fora deste.

Ficará a cargo do engenheiro a criação de novo planejamento quando este se tornar obsoleto.

 

 

7.2. Processos relacionados ao cliente.

 

7.2.1. Determinação dos requisitos relacionados à obra.

 

Obras por contrato.:

 Devem ser determinados, em contrato:

bullet

Requisitos da obra especificados pelo cliente, incluindo entrega da obra e assistência técnica;

bullet

Requisitos da obra não especificados pelo cliente mas necessários;

bullet

Obrigações relativas à obra, incluindo regulamentos e leis;

bullet

Outros requisitos especificados pela empresa de fundo estatutário. Obras por incorporação.:

Devem ser definidos os requisitos do mercado para a execução de uma obra viável e vendável:

Podem ser utilizados.: 

bullet

Pesquisas de mercado;

bullet

Informações provenientes de outros empreendimentos.

 

 

7.2.2. Análise crítica dos requisitos relacionados à obra.

 

Todos os requisitos determinados para cada obra, e que compõem o contrato deverão ser analisados e gerados registros destas análises.

 

 

Contrato proveniente de um cliente.:

 

A direção deverá analisar cuidadosamente as cláusulas dos contratos com a finalidade de se verificar a sua compatibilidade com a proposta inicial, em termos técnicos, financeiros e jurídicos, incluindo os requisitos definidos pelas partes.

 Também deverá ser verificado se a empresa possui os equipamentos adequados e pessoal especializados com capacidade para o atendimento dos requisitos contratuais.

 

 

Contrato em processos licitatórios.:

 

Em processos licitatórios o modelo do contrato já se encontra no edital. Caso a empresa o analise e opte por participar do processo e estabeleça a proposta, esta passará a ser o registro de análise de contrato.

 

 

Conclusão da análise.:

 

A comprovação da análise crítica será evidenciada pela assinatura nos contratos e, como dito anteriormente, a elaboração da proposta em processos licitatórios também configura registro de análise de contrato.

 Os contratos de clientes que apresentarem problemas deverão ser devolvidos e sugeridas as alterações necessárias.

As emendas a contrato deverão ser elaboradas, acordadas e assinadas entre as partes, sendo estas anexadas ao contrato, e passando a fazer parte do mesmo.

 

 

Comunicação das alterações.:

 

Caso existam alterações, estas deverão ser comunicadas, via reunião ou documento interno, às pessoas envolvidas no processo e que serão afetadas pelas mudanças.

 

 

7.2.3. Comunicação com o cliente.

 

Sempre que houver  a necessidade de comunicação com o cliente, este deverá ser contactado por, pelo menos, uma das seguintes formas:

bullet

Correspondência;

bullet

CORREIO ELETRÔNICO;

bullet

Reunião com a empresa;

bullet

Livro diário de obra.

bullet

TELEFONE

bullet

Tratamento de propostas e contratos, incluindo emendas;

bullet

 Informações sobre o andamento da obra;

bullet

 Retorno ao cliente de suas solicitações, incluindo reclamações e solicitação de assistência técnica.

Quando um cliente necessitar contactar a empresa este poderá utilizar de qualquer meio que julgar adequado, ficando a empresa responsável em documentá-lo.

De posse da solicitação, esta deverá ser analisada pela função pertinente e respondida ao cliente.

 

 

7.3. Projeto.

 

7.3.1. Planejamento da elaboração do projeto.

 

Para cada obra em que a Empresa for responsável pelo projeto, deve-se estabelecer o planejamento da sua elaboração.

Durante este planejamento devem ser determinados(as):

bullet

As etapas da elaboração, considerando todas as suas particularidades;

bullet

A análise crítica necessárias em cada etapa da elaboração e as suas verificações;

bullet

As responsabilidades e autoridades para o projeto.

Fica sob responsabilidade da empresa a gerência das diferentes especialidades e suas interfaces para que fiquem asseguradas a comunicação entre as partes e responsabilidades.

A medida em que o processo de elaboração do projeto avança, devem ser atualizadas as saídas do seu planejamento.

 

 

7.3.2. Entradas de projeto.

 

Para a correta definição e elaboração dos projetos devem ser definidas as principais características da obra e que devem incluir:

bullet

Requisitos funcionais e de desempenho;

bullet

Requisitos regulamentares e legais aplicáveis;

bullet

Informações de projetos anteriores (se aplicável);

bullet

Demais requisitos essenciais ao projeto.

bullet

Os requisitos funcionais incluem as características da obra, desde a fundação até os padrões de acabamento e principalmente os requisitos determinados pelo cliente.

Todos os requisitos determinados deverão ser analisados quanto a sua adequação e de forma a verificar se estão completos e se não existem pontos de dúvidas ou duplo entendimento.

 Os requisitos deverão ser documentados e encaminhados aos responsáveis pela sua elaboração, sendo guardada cópia para verificação posterior.

 

 

7.3.3. Saídas de projeto.

 

Como resultado (saídas) dos processos de elaboração dos projetos devem estar documentados:

bullet

Memoriais de cálculo;

bullet

Especificações técnicas;

bullet

Desenhos e outros elementos gráficos necessários para a correta execução. As saídas devem:

bullet

Atender aos requisitos de entrada;

bullet

Fornecer informações para a compra de materiais, contratação de serviços, execução da obra e que atendam a regulamentos e leis quando requerido e apropriado;

bullet

Se necessário conter critérios para aceitação da obra;

bullet

Informações sobre as características da obra de forma a garantir o futuro uso apropriado e sob condições de segurança.

 

 

7.3.4. e 7.3.5. Análise crítica e verificação de projeto.

 

Todos os projetos devem ser analisados de forma a verificar se:

bullet

Atendem aos requisitos de entrada;

bullet

São compatíveis entre si;

bullet

São identificados os problemas e proposição de ações para a sua correção. 

As análises deverão ser realizadas, de preferência, pelos responsáveis pela sua execução, sendo que registros de tais análises devem ser gerados.

 

 

7.3.6. Validação de projeto.

 

Sempre que um processo proposto em projeto necessitar ser validado, a empresa determinará meios para a sua realização.

 A validação será obrigatória nos casos em que novos modos construtivos forem adotados e que a empresa não conhece os seus resultados, sendo necessário um estudo prévio para validar a sua eficácia.

 Poderão ser utilizados para tal fim:

bullet

Simulações em computadores;

bullet

Maquetes;

bullet

Avaliação de desempenho;

bullet

Ensaios em parte dos produtos projetados;

bullet

Reuniões com possíveis usuários;

bullet

Construção de pilotos;

bullet

Comparação com projetos já executados;

bullet

Outras formas que se julgar necessário e apropriadas.

 

 

7.3.7. Controle de alterações de projeto.

 

A qualquer momento podem surgir alterações nos projetos, sejam elas oriundas do cliente, oriundas dos projetistas ou oriundas de solicitações da empresa. Neste momento deve-se realizar nova análise crítica e verificar a sua conformidade incluindo as suas relações com o produto já realizado e com outros projetos.

 Devem ser gerados registros das análises e estas comunicadas a quem utiliza tal projeto.

 

 

7.3.8. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente.

 

Todo projeto oriundo do cliente e que são decorrentes de contrato deverão ser analisados criticamente e estabelecido um parecer sobre a sua situação de conformidade. Esta análise deve ser realizada pelo DIRETOR DE OBRAS, onde serão verificados a sua viabilidade técnica, aptidão com projetos complementares, conformidade com o contrato e outras características que forem consideradas relevantes.

 Os pareceres deverão conter claramente o que foi verificado e sugestões para alterações. Cópia deste parecer deverá ser enviada ao cliente ou seu interveniente para as devidas providências.

 

 

7.4. Aquisição.

 

7.4.1. Processo de aquisição.

 

        Para o processo de aquisição vER PS3 e ps9.

 

 

7.4.1.1. e 7.4.1.2 Processo de Qualificação e Avaliação de Fornecedores.

 

       PARA PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES VER PS5

 

 

7.4.2. Informações para aquisição.

 

As especificações para a aquisição de materiais estão definidas na tabela de materIaIs, que deverá ser consultada no processo de aquisição de materiais. TODO MATERIAL A SER ADQUIRIDO  QUE INFLUENCIE NA QUALIDADE DO PRODUTO estará estará presente nessa tabela. 

 

 

7.4.2.1. Materiais controlados.

 

As especificações para a aquisição de materiais estão definidas naS tabela de materIaIs, que deverá ser consultada no processo de aquisição de materiais.

 

 

7.4.2.2, 7.4.2.3 e 7.4.2.4. Serviços controlados, Laboratoriais, de Projeto e Serviços Especializados de Engenharia.

 

Os documentos de contratação de serviços controlados, serviços laboratoriais, projetos e serviços especializados deverão conter claramente o que está sendo contratado, incluindo, se pertinente especificações técnicas e requisitos dos clientes.

 

 

7.4.3. Verificação do Produto Adquirido.

 

Sempre que for necessária a verificação do produto a ser adquirido nas instalações do fornecedor do mesmo, dever-se-á ser realizada uma visita com o intuito de se observar se o produto que será disponibilizado atende às especificações estabelecidas pela empresa. Esta visita não precisará ser agendada previamente, a não ser por exigência do fornecedor.

 A pessoa designada para fazer a verificação deverá preencher um check-list de verificação do material (fvm), sendo que a decisão pela aceitação deverá ser feita com base nos resultados desta verificação. todo materIal controlado possuI uma fIcha para a verIfIcação da qualIdade.

 Quando especificado em contrato, o cliente poderá verificar o produto adquirido nas instalações do fornecedor ou desta empresa mediante uma solicitação por escrito, sendo que na primeira situação, a mesma deverá ser feita com o mínimo de 03 (três) dias de antecedência, dando à empresa tempo para agendar a visita. Nos casos de obras públicas, o fiscal poderá ter livre trânsito para a verificação.

 Nestes casos, ficam dispensados os registros de verificação, exceto em situações onde são necessários reparos, onde, então, deverão ser abertos relatórios de Não Conformidade e Ação Corretiva.

 

 

7.5. Operações de Produção e Fornecimento de Serviço.

 

7.5.1. Controle de Operações.

 

Todo serviço realizado pela Empresa e considerado como crítico para a Qualidade constará da lista de serviços e terá o seu controle estabelecido na ficha de orientação de serviço (FOS).

 Esta FICHA traz informações sobre a execução dos serviços, quais os equipamentos necessários para a sua execução, quais serão as inspeções e os ensaios necessários e as proteções para garantir a conformidade do produto.

 dURANTE A EXECUÇÃO DO SERVIÇO E No final da obra, antes de se proceder a sua entrega, deve-se realizaR uma verificação final de todos os serviços executados USANDO-SE AS FICHAS DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO (FVS).

 No momento da entrega, deve ser fornecido ao cliente o Manual de Uso, Operação e Manutenção contendo informações sobre as condições de utilização das instalações e equipamentos, bem como orientações para a operação e de manutenção da obra executada ao longo de sua vida útil. Neste momento deve ser gerado o termo de entrega.

 

 

7.5.1.1. Controle dos serviços de execução controlados.

 

Para a execução dos serviços controlados foRAM estabelecidaS AS FICHA DE ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO (fos) E FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO (fvs).

 Para serviços contratados, se os fornecedores utilizarem procedimentos próprios, estes deverão ser analisados pelo corpo técnico e se aprovados deverão ter o seU controle feito conforme os REQUISITOS estabelecidos PELA EMPRESA. Caso a empresa CONTRATADA não possua os procedimentos ou se estes não forem aprovados, devem ser repassado aos funcionários os procedimentos da empresa sendo gerados registros de treinamento.

 Para os serviços considerados especializados e que não são realizados pela empresa e sim contratados, fica eliminado o procedimento de execução, porém são definidas as inspeções que deverão ser feitas.

 

 

7.5.2. Validação de Processos.

 

Para os processos em que os resultados não podem ser verificados pelos métodos de monitoramento definidos ou medições subseqüentes devem ser definidos métodos para a sua validação. Estes critérios devem ser definidos pelos seus responsáveis e, quando aplicável incluir:

bullet

Critérios para análise crítica e aprovação dos processos;

bullet

Aprovação de equipamentos e qualificação de pessoal;

bullet

Uso de métodos e procedimentos específicos;

bullet

Requisitos para registros;

bullet

Revalidação.

 

 

7.5.3. Identificação e Rastreabilidade.

 

7.5.3.1. Identificação.

 

Os materiais serão identificados pelo almoxarife. Os materiais que são facilmente identificáveis pela embalagem, inscrições no próprio produto ou outra característica que os tornem únicos podem ser dispensados de identificação adicional. Já produtos que não são facilmente identificáveis deverão estar armazenados com placas identificadoras.

 Após as verificações realizadas no momento da entrega ou após a realização de determinado serviço controlado, os materiais e os serviços, respectivamente, deverão ter a sua situação identificada da seguinte forma:

bullet

Materiais

Aprovados – sem identificação;

Reprovados – placa na cor vermelha;

Aguardando inspeção ou resultado desta – placa na cor amarela.

bullet

Serviços

Registros de inspeção dos serviços (FVS)

 O armazenamento de materiais será realizado conforme a tabela de materiais.

Para os materiais que não podem ter a sua situação identificada de imediato, como concreto estrutural, peças pré moldadas e produtos novos no mercado, a Empresa deverá identificar os pontos de utilização por meio de um mapeamento, croqui ou documento equivalente, de modo a permitir a rastreabilidade. Este documento deverá ser anexado ao Controle de Identificação, conforme modelo anexo.

 

 

7.5.3.2. Rastreabilidade.

 

Após análise dos resultados de controle tecnológico (concreto) ou outro ensaio exigido para os materiais que foram identificados, se forem observadas divergências em relação ao que havia sido solicitado, deve-se abrir um relatório de não conformidade (ver item 8.3), e com o auxílio do Controle de Identificação do produto em questão propor as ações corretivas nos locais ali constantes.

 

 

7.5.4. Propriedade do Cliente.

 

Todo material, equipamento ou serviço executado pelo cliente deverá ser identificado, verificado, protegido e salvaguardado. 

Os materiais fornecidos pelo cliente deverão sofrer processo de inspeção, ser armazenado e identificado conforme as regras da empresa e que estão estabelecidas na tabela de materiais. Caso o material não conste na tabela de materiais controlados e estiver estabelecido no contrato com o cliente, a empresa deverá estabelecer critérios para o seu controle.

 O cliente é responsável em prover material que se adeque aos requisitos da empresa, caso contrário a empresa poderá rejeitá-lo ou não garantir a qualidade do produto final.

Caso o cliente forneça um equipamento para a realização da obra ou incorporação no produto final a empresa deverá armazená-lo conforme recomendações do cliente e protegê-los.

Se o cliente, por meios próprios, realizar algum serviço este deverá ser entregue protegido, ficando a Empresa responsável em manter a sua integridade. O mesmo e valido para partes da obra já existentes.

Caso algum produto do cliente se danifique, se perca ou se for considerada impróprio para o uso, isto deve ser comunicado ao cliente. Ver item 7.2.3.

 

 

7.5.5. Preservação de Produto.

 

Todo material deverá ser manuseado, armazenado e condicionado conforme as especificações da tabela de materiais.

Já os serviços deverão ser protegidos e preservados conforme os its, não importando se estes estão sob responsabilidade da Empresa ou de subcontratados, desde a sua execução até a entrega.

 

 

7.6. Controle de Dispositivos de Medição e Monitoramento.

 

CONTROLE DE De Dispositivos de Medição e Monitoramento VER ps8

 

 

8. Medição, Análise e Melhoria

8.1. Generalidades

 

Para demonstrar a conformidade dos produtos, assegurar a conformidade e buscar a melhoria contínua do SGQ foram implementados os processos de medição e monitoramento, controle de materiais e serviços não conformes, análise de dados e melhoria. Detalhes podem ser verificados no que se segue.

 

 

8.2. Medição e Monitoramento

8.2.1. Satisfação do Cliente

 

A satisfação do cliente é um dos objetivos estabelecidos pela empresa e ajudarão no processo de melhoria do SGQ pois a partir de seus resultados conhece-se a visão que o cliente tem dos produtos e o que precisa melhorar.

 

 

8.2.2. Auditoria interna

 

Para o processo de auditorias internas do Sistema ver ps10

 

 

8.2.3. e 8.2.4. Medição e Monitoramento de Processos e Inspeção e Monitoramento de Materiais e serviços de execução controlados

 

Sempre que um material, serviço controlado ou processo necessitar ter alguma etapa medida ou monitorada, esta estará definida na TABELA DE MATERIAL, PROCEDIMENTOS E ITS.

 

 

8.3. Controle de Materiais e de Serviços de Execução Controlados e da Obra Não-conformes

 

Para o controle das não conformidades do sistema foi estabelecido o procedimento PS6

 

 

8.4. Análise de Dados

os dados relativos ao SGQ deverão ser levantados pela Comissão da Qualidade e levados ao conhecimento da diretoria para análise crítica.

Devem ser determinadas informações sobre a satisfação dos clientes, conformidades dos produtos, características das obras entregues e dos seus processos, fornecedores, indicadores dos objetivos e ações corretivas e preventivas.

Antes da reunião de análise crítica pela direção a equipe da qualidade deverá analisar os dados coletados e se possível apresentá-los já em formas de gráficos, tabelas ou números.

 

8.5. Melhoria

8.5.1. Melhoria contínua

 

A empresa busca constantemente a melhoria do SGQ utilizando as seguintes ferramentas:

 

bullet

Acompanhamento e evolução dos objetivos da qualidade

bullet

Estudo das não conformidades e proposição de ações corretivas

bullet

Proposição de ações preventivas

bullet

Análise Crítica do sistema

bullet

Auditorias internas e externas

bullet

Busca de atualização dos processos

 

8.5.2. e 8.5.3. Ação Corretiva e Ação Preventiva

 

Para a proposição de ações corretivas e preventivas foi estabelecido o procedimento PS6

 

 

6. Registros

 

O Manual da Qualidade terá os seguintes registros gerados:

bullet

Diagnóstico da situação da empresa no início do desenvolvimento do Sistema da Qualidade;

bullet

Planejamento DE IMPLANTAÇÃO

bullet

MEDIÇÃO DOS INDICADORES

bullet

COMUNICAÇÃO INTERNA

bullet

Atas de Reunião

bullet

Atas de reunião de Análise Crítica

bullet

Plano de Qualidade da Obra

bullet

Planejamento de Execução da Obra

bullet

Contratos

bullet

Emendas à contrato

bullet

Correspondências (comunicação com o cliente)

bullet

Livro diário da obra (se houver)

bullet

CORREIO ELETRÔNICO

bullet

Planejamento de projeto

bullet

Entradas de projeto

bullet

Memoriais de cálculo

bullet

Especificações técnicas

bullet

Projetos (Desenhos e elementos gráficos)

bullet

REGISTRO DE VALIDAÇÃO DE PROJETO

bullet

CONTROLE DE ALTERAÇÃO DE PROJETO

bullet

Análise crítica e verificação de projetos

bullet

Parecer de Análise de Projeto Fornecido pelo Cliente

bullet

Termo de Entrega da Obra

bullet

Controle de Identificação

bullet

REGISTRO DE TREINAMENTO

bullet

REGISTRO DE CUMPRIMENTO DE REQUISITOS (CONTRATAÇÃO)

bullet

REGISTRO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO

bullet

FVM

bullet

FVS

bullet

REGISTROS COMPLEMENTARES DE IDENTIFICAÇÃO (MAPEAMENTO OU CROQUI)

 

7. Anexos

 

Lista de Serviços Controlados;

Lista de Materiais Controlados;

Controle de Identificação

Termo de Entrega da Obra


7.1. Lista de serviços e materiais controlados

 

SERVIÇOS

 

1-   Compactação de aterro

2-   Locação da obra

3-   Execução de fundações (tubulões)

4-   Execução de fôrma

5-   Montagem de armadura

6-   Concretagem  de peça estrutural

7-   Execução de alvenaria não estrutural

8-   Execução de alvenaria estrutural

9-   Execução de revestimento  interno de área seca

10- Execução de revestimento interno de área úmida

11- Execução de revestimento externo

12- Execução de contrapiso

13- Execução de revestimento de piso interno área seca

14- Execução de revestimento de piso interno área úmida

15- Execução de revestimento de piso externo

16- Execução de forro

17- Execução de impermeabilização

18- Execução de cobertura em telhado

19- Colocação de batente em porta

20- Colocação de janela

21- Execução de pintura interna

22- Execução de pintura externa

23- Execução de instalação elétrica

24- Execução de instalação hidro-sanitária

25- Colocação de louça, bancada e metal sanitário

 

 

MATERIAIS

 

  1. Madeira serrada e compensados

  2. aço

  3. Concreto usinado  

  4. Cimento

  5. Areia

  6. Blocos

  7. Argamassa

  8. cerâmicas

  9. Batente

  10. Portas e janelas

  11. Vidros

  12. Telhas

  13. Placas de gesso

  14. Brita

  15. Material elétrico

  16. Tubos e conexões

  17. Gesso cola

  18. pré-moldados

  19. Louças

  20. Metais

  21. tintas

  22. impermeabilizantes 

 

 

 

Anexo V – Controle de Identificação

 

 


 

SISTEMA DA QUALIDADE

Controle de Identificação

RESPONSÁVEL:

 

 

 

Identificação de Materiais não Comuns ,Serviços e Situações Emergenciais.

 

Versão

Página

 

1/1

 

Obra:

 

Local do serviço:

 

Quantidade verificada (máximo um

andar):

 

Início:

Término:

Mestre:

Encarregado:

Equipe:

 

 

 

 

 

 

 

 

MATERIAL/SERVIÇOS

 

LOCAL DE APLICAÇÃO

 

LOTES/PEÇAS

 

DATA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Verificado por (nome): _________________________________________        Visto: ______________

 

Data: ____/____/_____

 

 

 

Anexo VII – Termo de Entrega da Obra

 

 

TERMO DE ENTREGA DA OBRA

 

 

Eu,                                                                         declaro estar recebendo o imóvel abaixo discriminado em perfeitas condições e tendo realizado junto a EMPRESA a sua vistoria.

 

Declaro também estar recebendo o Manual do Proprietário contendo todas as características técnicas de utilização e cuidados tendo sido esclarecido(a) sobre todo o seu conteúdo.

 

Declaro estar consciente de que qualquer desrespeito às recomendações propostas no Manual do Proprietário pode acarretar na perda da garantia do imóvel ou parte dele.

 

(local),      de                        de20       

 

 

_______________________________

(nome do Cliente)

 

Data de atualização da pagina: 30-August-2005